Posts

A cabotagem é o transporte interestadual, ou seja, a navegação entre portos de um mesmo país. A cabotagem é uma prática bastante promissora em um país como o Brasil, que conta com uma extensa costa navegável.

Nos dias atuais somente 10% das cargas são transportadas por meio da cabotagem, esse percentual deve-se ao fato do baixo incentivo por parte do governo para a realização do mesmo, a alta burocracia envolvida e o alto custo.

Para solucionar estes impasses, o governo está projetando medidas de incentivo à cabotagem no Brasil, com intenção de tornar mais competitivo o transporte marítimo interno do país e triplicar sua demanda para reduzir também o transporte de longa distância realizados por caminhões. Durante o mês de agosto estão planejando lançar um pacote de medidas que contemplará ajustes nas exigências legislativas, que hoje são um desafio para quem vai realizar a cabotagem, entre eles a redução de custos operacionais visando iniciativas focadas na indústria naval e instalações portuárias.

O transporte marítimo, além de ser um dos transportes menos poluentes, tem a capacidade de transportar maiores volumes que qualquer outro modal, tem baixa ocorrência de acidentes e maior segurança.

A Efficienza lida com todos os trâmites envolvidos nos processos de cabotagem, cuidamos do processo do início ao fim. Se você ainda tem dúvidas relacionadas a cabotagem e procedimentos, não hesite em nos contatar.

Por Joana Deangelis da Silva.

Desde a sua criação, os containers são muito utilizados na logística internacional. Eles podem ser utilizados nos embarques marítimos e aéreos, para armazenar cargas gerais. Facilitam a estufagem e manuseio, padronizando o transporte.

Os containers no modal marítimo são disponibilizados pelos armadores, que são os donos dos navios. O agente de carga ficará responsável pela reserva de espaço no navio junto ao armador. Após o recebimento do “booking”, a transportadora entrará em contato com o terminal de containers vazios (DEPOT) e solicitará a retirada do container para estufagem. Este container pode apresentar cheiro ou não estar totalmente limpo. Neste caso, aconselhamos as empresas que exportam alimentos, bebidas ou produtos que não possam estar em contato com óleos (possíveis manchas no chão do container) ou odores muito fortes, que informem ao agente a necessidade de container padrão alimento (food grade) no momento da cotação. Os tipos de containers que podem ser disponibilizados como padrão alimento são: 20’STD, 40’STD e 40’HC.

Os armadores cobram uma taxa adicional para disponibilizar esse tipo de container ao exportador, porém haverá a garantia de que o equipamento estará em condições para a carga ser estufada. O valor da taxa food grade varia de acordo com cada armador. Pode ser cobrada em dólar ou real e sempre é calculada pela quantidade de containers.

Entre em contato com nosso departamento de logística. Poderemos lhe ajudar a solicitar o melhor equipamento para o seu transporte.

Por Natalia Schiavenin.

O G20 é um grupo que tem o intuito de analisar Questões-chave da economia e política global. Ele é composto por ministros e chefes de bancos centrais das maiores economias mundiais e foi criado em 1999. Nos dias 28 e 29 de junho, acontecerá a 14 º reunião em Osaka no Japão, cidade que é tão importante para o comércio internacional, contando com 3 diferentes aeroportos internacionais, Aeroporto internacional de Kansai (KIX), Aeroporto Internacional de Osaka (ITM) e Aeroporto de Kobe (UKB).

Devido à reunião, nos dias 27 de junho ao dia 30 de junho, haverá restrições em larga escala aos embarques nos principais aeroportos de Osaka com maior predominância no aeroporto de Kansai (principal aeroporto de Osaka), com medidas reforçadas na segurança, inspeção rigorosa de documentos e restrições de acesso aos viajantes.

As restrições nesses aeroportos podem acarretar consequências nos embarques das cargas a serem importadas ou exportadas, impactando no andamento e cumprimento de datas previstas para embarque e desembarque. Devido a isso, deve-se reforçar que embarques neste período devem ser analisados com cuidado ou até adiados, para que não ocorra indesejáveis acontecimentos. Não só no modal aéreo, o transporte rodoviário da cidade também sofrerá com este impacto, tanto que o recomendado para os visitantes de Osaka foi usar as vias férreas para se locomover na cidade.

O setor de logística da Efficienza acompanha todas as mudanças que podem impactar no processo logístico, sempre atualizando a todos para o melhor andamento de nossos embarques. Realizamos nossos serviços com responsabilidade para proporcionar a satisfação de nossos clientes.

Por Joana Deangelis da Silva.

Fontes:
https://www.g20.org/en/
https://www.recife.br.emb-japan.go.jp/itpr_pt/190619_G20OosakaSamitto_koutuukuukoo_pt.html

Com a crise cambial na Argentina, desde o ano passado, as exportações do Brasil para o país vizinho caíram 42% neste ano (2019). O valor nos dois primeiros meses do ano passado (2018) referente as exportações, era de U$ 2,6 bilhões para 1,5 bilhão no primeiro bimestre de 2019.

Essa crise afeta, principalmente, a exportação de produtos industrializados, o que representa 43,7% das vendas ao país vizinho. Um exemplo seria a queda de 49,8% nas vendas de automóveis para a Argentina no primeiro bimestre de 2019 em relação ao mesmo período de 2018.

As exportações de peças para veículos e tratores, referente ao comércio bilateral, tiveram queda de 38,7%, porém a maior queda percentual de exportações para a Argentina ocorreu com os veículos de carga, diminuindo 64,7%.

Com a crise cambial desde o ano passado, a Argentina enfrenta uma desvalorização de sua moeda, diminuindo sua capacidade de comprarem mercadoria do Brasil. Toda essa crise no país vizinho é gerada pela alta da inflação, o impõe ao governo argentino a tomada de algumas medidas para tentar erguer o país.

A Argentina lançou uma lista de medidas para tentar frear a alta da inflação, e dentre as medidas estão desde acordo com empresas para “congelar” os preços de produtos da cesta básica por pelo menos 6 meses, o não aumento de serviços públicos como gás, telefonia celular, transporte público e o congelamento de preços da energia elétrica residencial até o final de 2019. Os pedágios nas rodovias também entram no pacote de medidas adotadas pelo governo.

Por Fernando Marques.

Com frequência discutimos a importância da gestão do transporte internacional na cadeia de suprimentos das empresas, e nota-se que não há um senso comum sobre a relevância da gestão responsável do processo logístico.

Em diversas oportunidades, em reuniões, palestras e conversas informais, percebe-se que o envolvimento da gestão do transporte internacional muda de acordo com o ponto de vista da operação: Exportação e Importação.

Sendo bem prático:

Exportadores costumam não demonstrar interesse em se envolver na gestão, e com frequência argumentam que negociam nos termos EXW ou FOB, assim não precisam se responsabilizar pelo serviço logístico. Uma atuação passiva na gestão logística.

Importadores: necessitam gerenciar essa cadeia logística, muitas vezes negociando EXW ou FOB as suas importações, compram EXW/FOB assim tem maior controle sobre datas, serviço e tarifas. Atuação ativa na gestão logística.

A intenção, através da exemplificação destes pontos de vista distintos, é de provocar a reflexão um pouco mais profunda sobre este assunto e o impacto dessa decisão sobre a definição do termo de compra ou venda.

O que eu acredito é que o EXPORTADOR BRASILEIRO deveria sim exercer papel ativo na gestão do serviço que e se responsabilizar por suas operações primordial para distribuição e entrega adequada do seu produto.

Deveria sim, assumir a gestão de seus embarques, mesmo que em responsabilidades menos complexas, por exemplo nos termos …to port / to airport / at place. (CIF, CFR, CIP, CPT, DAP, DAT).

Sendo o exportador passivo, como poderia o importador definir a melhor condição de serviço, atendimento, alocação, tarifas e qualidade do transporte?

Não tendo todo o conhecimento e experiência com as operações no território brasileiro e não inserido no contexto Brasil, seria o importador o mais indicado a tomar as decisões sobre o transporte internacional?

Certamente esse assunto vale a discussão e a análise das equipes comerciais estratégicas e operacionais de comércio exterior de sua empresa pois vai muito além da responsabilidade sobre a gestão do transporte. O assunto também tem interferência direta no posicionamento estratégico da marca, da empresa e do Brasil como país exportador.

Em nossa próxima conversa, vou trazer um pouco da próxima revisão dos Incoterms 2020 e que já estão sendo elaborados pela Câmara Internacional de Comércio (ICC).

Um forte abraço e até a próxima.

Por Tiago Todeschini.

Quando contratamos um frete para um embarque Full Container, precisamos levar em conta o FREE TIME, que é a quantidade de dias livres que podemos permanecer com o container a partir da chegada do navio no porto de destino. Após este prazo livre, é cobrada a sobrestadia / DEMURRAGE, que é a multa por ficar com o container após o prazo dado pelo armador.

Muitas vezes contratamos um frete por ser mais barato, e não nos damos conta do tempo de FREE TIME, e isso pode custar mais caro que o esperado ao importador, pois ele é o responsável por esta despesa.
Uma vez cobrado o DEMURRAGE, o pagamento é feito através de taxas e valores informados pelo armador e dificilmente é possível alguma negociação no valor e na taxa cobrada.

Quando contratamos um embarque de um Full Container, obrigatoriamente temos que preencher e entregar o Termo de Container ao agente marítimo, para que a carga, assim que desembaraçada e liberada, possa ser carregada ao importador. Caso contrário a mesma ficará bloqueada no porto, podendo gerar armazenagem desnecessária.

Precisa de uma cotação de frete?

Nós da equipe Efficienza lhes oferecemos o melhor custo benefício. Contate-nos.

Por Fernando Marques.

O complexo portuário de Santos, o principal do Brasil, atingiu novo recorde no total acumulado até julho deste ano, com um crescimento de 6% em relação ao melhor nível que já teve. Até julho cerca de 64,5 milhões de toneladas passaram pelo complexo, totalizando 1,5 milhão a mais que o primeiro semestre de 2017.

A alta acumulada nesse primeiro semestre foi de 4,1% para as cargas embarcadas e de 9,6% para as descargas. Nos embarques, o destaque foi para as exportações de milhos, celulose e sucos cítricos. Já com relação as descargas, o destaque foi para fosfato de cálcio, soda cáustica e amônia.

Com relação as operações com contêineres, vale destacar a tendência de crescimento da produtividade, atingindo o total de cerca de 2 milhões de TEU no semestre, quase 22 milhões de toneladas de cargas operadas. Isso se deve muito pelas condições de calado que propiciam a navegação de navios de maior porte.

Nesse primeiro semestre o complexo Santista participou com 27,7% na balança comercial do país. Porém se considerarmos apenas as trocas comerciais utilizando o sistema portuário, a participação atingiu 36,4%.

Os principais países de destino das cargas embarcadas foram: China, Estados Unidos e Argentina. Já com relação as importações, os principais países foram: China, Estados Unidos e Alemanha.

Diante desse cenário de crescimento, a projeção do acumulado do ano foi revisada para 133,3 milhões de toneladas, isso resultará em 2,7% a mais que 2017.

Desde junho, com a chegada do verão e período de férias no hemisfério norte, percebeu-se uma nova movimentação no fluxo de embarques marítimos, especialmente originados do território europeu.

Esta movimentação refere-se ao acumulo de cargas nos portos e, consequente dificuldade em confirmação de espaço para embarques imediatos, principalmente tratando-se de containers fechados (FCL).

A confirmação para embarque nos principais portos do Norte da Europa, como Hamburgo (Alemanha), Genova (Itália), Antuérpia (Bélgica) e Rotterdam (Holanda), têm sido de até três semanas desde o pedido de booking ao armador.

Contudo, desde que, contratando fretes com maiores valores, em alguns casos, consegue-se adiantar o embarque em pelo menos uma semana.

Porém, a tendência é que em agosto este cenário se intensifique ainda mais, já que neste mês a maioria das empresas efetivamente entram em férias ou ainda, operam com horários reduzidos.

Em contrapartida, em setembro, é previsto que as operações retomem sua normalidade.

Por Fabíola Girotto.

Chegamos do Paraná, com a Missão, junto a Efficienza, de abocanhar uma fatia dos 62% de escoamento de cargas no Brasil que acontece pelo Rodoviário.

Setor que já teve seus dias de glória no ano de 2010 com 200 bilhões, 11,2% do PIB, e vem tendo dias de Luta desde a queda para -7,1% PIB em 2016, numa recuperação lenta, porém sólida, um crescimento tímido de 2% até o momento no ano de 2018.

Os altos preços de acessórios, e manutenção dos veículos, como o Diesel que subiu 6,2% somente este ano, pedágios, e estradas sucateadas, fazem o nosso querido Modal, vencer um Leão por dia.

Por Veronica Simonetti Nery.

Cada vez mais as empresas estão procurando alternativas para minimizar os custos logísticos das operações de importação. Porém, quando a empresa necessita de embarque imediato, se dispõe a pagar tarifas mais altas (dependendo do volume e peso da carga) para fazer a importação aérea. Contudo, no decorrer do processo o agente de cargas informa que o frete irá alterar, pois a carga só poderá ser transportada em avião cargueiro. Se você já passou por isso deve ter se perguntado o que aconteceu.

Tudo começa quando a empresa solicita a cotação de frete. O Inside Sales analisa as dimensões e peso da carga, verificando se será possível embarcar em avião de passageiro a fim de reduzir os custos de transporte. Desta forma, a carga embarcará junto com as malas dos passageiros, levando em conta que, a prioridade de espaço na aeronave sempre será para alimentos, medicamentos e as bagagens. O que significa que, quanto mais lotados os voos, mais espaços nas aeronaves são ocupados pelas bagagens dos mesmos, restando menos espaço para bagagens desacompanhadas. Por este motivo, pode ocorrer de sua carga não conseguir embarcar no voo previsto, em virtude de não conseguir espaço.

Para embarque em avião convencional, há um limite de tamanho para carga aceito pela companhia aérea. Ultrapassando essas medidas, o embarque só será possível em avião cargueiro. Além disso, a maioria das cargas perigosas e/ou químicas que podem ser transportadas de forma aérea (como baterias) só poderão ser transportadas nesse tipo de aeronave. A rota será diferente, pois esse tipo de avião só opera em aeroportos específicos. Se sua carga precisa ir para Porto Alegre, será necessário fazer uma DTA (Declaração de Trânsito Aduaneiro) para a carga poder ser removida. O custo desse frete costuma ser mais caro do que o voo convencional.

Desta forma, sugerimos que a empresa sempre informe os dados exatos da carga (ou os mais aproximados possíveis) e se é considerada perigosa e/ou química no momento da cotação de frete. Isso irá ajudar a evitar sustos no momento da operação, que impactarão diretamente no custo do produto.

Caso precise de cotação de frete, seja de importação ou exportação, a Efficienza conta com um time especializado para lhe ajudar. Envie sua cotação para logistica@efficienza.com.br.

Por Natália Schiavenin.