Posts

As empresas de navegação estão sofrendo com grandes mudanças e, a partir do próxima ano (2020), , conforme medida anunciada pela Organização Marítima Internacional (IMO), as empresas de transporte marítimo terão que usar combustível com teor máxima de enxofre de 0,5%. Atualmente, este índice é limitado a 3,5%, reduzindo drasticamente a presença deste elemento nos combustíveis da indústria marítima.

A maior medida da Organização Marítima Internacional é o regulamento IMO2020. A medida foi criada com o intuito de reduzir a poluição marítima, pois o baixo teor de enxofre no óleo combustível é a principal solução para o setor de transporte marítimo estar em conformidade com as demandas ambientais.

Com o regulamento, as indústrias se tornarão mais ecológicas apesar de uma transformação radical em todo o mercado de transporte marítimo.

Com essa medida, Haverá um aumento no custo deste novo combustível e as despesas para os armadores se adequarem a este regulamento serão repassadas ao consumidor final o que deve ocorrer ainda este ano para que para que já no primeiro dia do ano de 2020 Estejam em conformidade com esta nova realidade.

Por Fernando Marques.

A taxa de Ad Valorem ou também conhecida como frete valor, é uma tarifa aplicada com base no valor total da mercadoria. O principal objetivo é cobrir o custo do seguro de carga enquanto ela estiver sob a responsabilidade do transportador.

A taxa, normalmente é aplicada quando o dono dos produtos (embarcador) não tem o seguro, ou quando a apólice contratada não cobre o período ao qual a carga está em posse do transportador. Nesses casos, o fornecedor do transporte contrata uma seguradora e faz o repasse dos valores através da cobrança do Ad Valorem.

E para que realmente serve o Ad Valorem?

Quando o embarcador despacha a sua carga a uma transportadora para que o envio ao destino seja feito, a mercadoria fica sujeita a diversos contratempos que podem ocorrer durante o transporte, tais como avarias, roubos, extravios e acidentes.

Se por algum motivo, qualquer uma das situações informadas anteriormente se concretizarem, a transportadora contratada deverá indenizar o embarcador. O problema é que na grande maioria das vezes, esse ressarcimento acaba custando muito mais que o frete pago, representando um enorme risco ao transportador. Por isso, é necessário que as empresas do setor se protejam contra esses riscos.

Existem duas principais composições do Ad Valorem:

(1) RCTR-C (Responsabilidade Civil sobre o Transporte Rodoviário de Cargas): regulamentado pelo mesmo Decreto-Lei 61.687/67, esse seguro (conhecido como seguro de acidentes) é obrigatório ao transportador. Assegura o reembolso das reparações pecuniárias que a empresa de transporte seja obrigada a responder em função de perdas ou danos causados a bens e mercadorias de terceiros durante o transporte.

(2) RCF-DC (Responsabilidade Civil Facultativa do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga): cobre roubos e desvio de cargas. Esse seguro não é obrigatório, dessa forma, sua contratação também pode aumentar o ad valorem, mas proteger melhor a transportadora.

Como é calculado o Ad Valorem?

Estabelecer um percentual padrão para essa cobrança é muito difícil, pois diversas questões são consideradas, incluindo os custos operacionais que a transportadora tem para garantir um bom gerenciamento de riscos.

A cobrança de uma maneira geral, pode alterar entre 3% e 40% sobre o valor informado na DANFE. Essa variação deve-se a alguns fatores como distância percorrida, transit time, situação da conservação do trecho e de outras questões ligadas a segurança da carga.

Possui dúvidas sobre como a taxa é aplicada na cobrança do transporte rodoviário internacional ou nacional? Contate o nosso setor de logística internacional, nossos profissionais poderão lhe auxiliar com eventuais dúvidas.

Por Maicon Lorandi de Mello.

Fontes:
https://www.intelipost.com.br/blog/o-que-e-ad-valorem/
https://www.tecnovia.com.br/2017/08/24/ad-valorem-em-transporte-de-cargas-como-funciona-essa-taxa/

A cabotagem é o transporte interestadual, ou seja, a navegação entre portos de um mesmo país. A cabotagem é uma prática bastante promissora em um país como o Brasil, que conta com uma extensa costa navegável.

Nos dias atuais somente 10% das cargas são transportadas por meio da cabotagem, esse percentual deve-se ao fato do baixo incentivo por parte do governo para a realização do mesmo, a alta burocracia envolvida e o alto custo.

Para solucionar estes impasses, o governo está projetando medidas de incentivo à cabotagem no Brasil, com intenção de tornar mais competitivo o transporte marítimo interno do país e triplicar sua demanda para reduzir também o transporte de longa distância realizados por caminhões. Durante o mês de agosto estão planejando lançar um pacote de medidas que contemplará ajustes nas exigências legislativas, que hoje são um desafio para quem vai realizar a cabotagem, entre eles a redução de custos operacionais visando iniciativas focadas na indústria naval e instalações portuárias.

O transporte marítimo, além de ser um dos transportes menos poluentes, tem a capacidade de transportar maiores volumes que qualquer outro modal, tem baixa ocorrência de acidentes e maior segurança.

A Efficienza lida com todos os trâmites envolvidos nos processos de cabotagem, cuidamos do processo do início ao fim. Se você ainda tem dúvidas relacionadas a cabotagem e procedimentos, não hesite em nos contatar.

Por Joana Deangelis da Silva.

Desde a sua criação, os containers são muito utilizados na logística internacional. Eles podem ser utilizados nos embarques marítimos e aéreos, para armazenar cargas gerais. Facilitam a estufagem e manuseio, padronizando o transporte.

Os containers no modal marítimo são disponibilizados pelos armadores, que são os donos dos navios. O agente de carga ficará responsável pela reserva de espaço no navio junto ao armador. Após o recebimento do “booking”, a transportadora entrará em contato com o terminal de containers vazios (DEPOT) e solicitará a retirada do container para estufagem. Este container pode apresentar cheiro ou não estar totalmente limpo. Neste caso, aconselhamos as empresas que exportam alimentos, bebidas ou produtos que não possam estar em contato com óleos (possíveis manchas no chão do container) ou odores muito fortes, que informem ao agente a necessidade de container padrão alimento (food grade) no momento da cotação. Os tipos de containers que podem ser disponibilizados como padrão alimento são: 20’STD, 40’STD e 40’HC.

Os armadores cobram uma taxa adicional para disponibilizar esse tipo de container ao exportador, porém haverá a garantia de que o equipamento estará em condições para a carga ser estufada. O valor da taxa food grade varia de acordo com cada armador. Pode ser cobrada em dólar ou real e sempre é calculada pela quantidade de containers.

Entre em contato com nosso departamento de logística. Poderemos lhe ajudar a solicitar o melhor equipamento para o seu transporte.

Por Natalia Schiavenin.

O G20 é um grupo que tem o intuito de analisar Questões-chave da economia e política global. Ele é composto por ministros e chefes de bancos centrais das maiores economias mundiais e foi criado em 1999. Nos dias 28 e 29 de junho, acontecerá a 14 º reunião em Osaka no Japão, cidade que é tão importante para o comércio internacional, contando com 3 diferentes aeroportos internacionais, Aeroporto internacional de Kansai (KIX), Aeroporto Internacional de Osaka (ITM) e Aeroporto de Kobe (UKB).

Devido à reunião, nos dias 27 de junho ao dia 30 de junho, haverá restrições em larga escala aos embarques nos principais aeroportos de Osaka com maior predominância no aeroporto de Kansai (principal aeroporto de Osaka), com medidas reforçadas na segurança, inspeção rigorosa de documentos e restrições de acesso aos viajantes.

As restrições nesses aeroportos podem acarretar consequências nos embarques das cargas a serem importadas ou exportadas, impactando no andamento e cumprimento de datas previstas para embarque e desembarque. Devido a isso, deve-se reforçar que embarques neste período devem ser analisados com cuidado ou até adiados, para que não ocorra indesejáveis acontecimentos. Não só no modal aéreo, o transporte rodoviário da cidade também sofrerá com este impacto, tanto que o recomendado para os visitantes de Osaka foi usar as vias férreas para se locomover na cidade.

O setor de logística da Efficienza acompanha todas as mudanças que podem impactar no processo logístico, sempre atualizando a todos para o melhor andamento de nossos embarques. Realizamos nossos serviços com responsabilidade para proporcionar a satisfação de nossos clientes.

Por Joana Deangelis da Silva.

Fontes:
https://www.g20.org/en/
https://www.recife.br.emb-japan.go.jp/itpr_pt/190619_G20OosakaSamitto_koutuukuukoo_pt.html

Para manter seu produto competitivo, as empresas estão cada vez mais preocupadas e engajadas em reduzir custos. Qualquer despesa não prevista pode acabar com o custo do produto. Nesse último mês, enquanto os armadores anunciaram GRI, os importadores precisaram achar meios para cobrir essa despesa, muitas vezes reduzindo seu próprio lucro. Mas, afinal, você sabe o que esse termo significa?

GRI ou General Rate Increase é o aumento no valor de frete imposto pelos armadores. Isso ocorre devido ao aumento da demanda. Nesse mês de junho informamos a diversos clientes o aumento, que ocorreu nas importações de origem China.

Analisando o cenário de importação de produtos chineses, notamos nos últimos anos uma redução de serviços/rotas oferecidos pelos armadores. No mês de maio os fretes estavam baixos, o que gerou um crescimento na demanda de “bookings”. Com isso, os armadores aumentaram os valores de frete. Os espaços nos navios já estão ficando escassos.

Em época de “overbooking” a estratégia que o importador deve adotar é contratar fretes com espaço garantido. Por isso, aconselhamos nossos clientes a organizarem os próximos embarques para que sejam iniciados o quanto antes. Entre em contato conosco e solicite seu “Booking”.

Por Natália Schiavenin.

Você sabia que o dia 06/06 é feriado na Coréia? Sim, dia do memorial.

E que no dia 07/06 Feriado em Taiwan, China e Hong Kong? 07 de junho: Dragon Boat’s Day Festival (Festival do Barco-Dragão).

Os feriados no continente asiático influenciam diretamente nas importações de empresas brasileiras. É importante que empresas importadoras que mantenham relações comerciais com a Ásia atentem-se à pagamentos e embarques, evitando atrasos que podem causar problemas no planejamento, visto que podem impactar de uma semana à um mês nas previsões de chagada das carga; no caso do ano novo chinês, que acontece em fevereiro, o recesso dura três semanas.

Tivemos este ano o feriado do Ano Novo Chinês dia 05 de fevereiro, porém as fábricas pararam em 25 de janeiro e só retornaram em 11 de fevereiro, algumas em 18 de fevereiro.
Os transportes internos também aderem aos recessos, consequentemente os navios e aviões cargueiros, que sem carga não saem. Foram inúmeros casos enviados entre 20 de janeiro e 20 de fevereiro, que tiveram suas coletas ou embarques realizados.

Teremos pela frente outro grande feriado, a semana de ouro dia 1º de Outubro, mas as festividades e o recesso no trabalho e escola são de 1º a 7 de outubro.

E então você está organizado com a sua mercadoria? Caso não esteja, consulte-nos que organizamos para você!

Pensando em auxiliar nossos clientes, seguem os principais feriados que teremos nessa metade de 2019 restante e, principalmente, para 2020:

Feriados na China 2019:
* De 7 a 9 de junho: Festival Dragon Boat;
* De 13 a 15 de setembro: Festival Mid-Autumn;
* De 1 a 7 de outubro: Golden Week (o segundo maior feriado chinês, quando é celebrado também o dia nacional.

Calendário de Feriados em 2020:
* De 24 a 30 de janeiro: Ano-novo chinês (Semana de ouro).
* 12 de março: Aniversário de Kuan Yin.
* De 3 a 5 de abril: Festival Qingming.
* De 1º a 3 de maio: Dia do trabalho.
* De 25 a 27 de junho: Festival do Barco do Dragão.
* De 1º a 7 de outubro: Dia Nacional (Semana de ouro).

Fonte: https://www.tuxx.com.br

Por Veronica Simonetti Nery.

Com a crise cambial na Argentina, desde o ano passado, as exportações do Brasil para o país vizinho caíram 42% neste ano (2019). O valor nos dois primeiros meses do ano passado (2018) referente as exportações, era de U$ 2,6 bilhões para 1,5 bilhão no primeiro bimestre de 2019.

Essa crise afeta, principalmente, a exportação de produtos industrializados, o que representa 43,7% das vendas ao país vizinho. Um exemplo seria a queda de 49,8% nas vendas de automóveis para a Argentina no primeiro bimestre de 2019 em relação ao mesmo período de 2018.

As exportações de peças para veículos e tratores, referente ao comércio bilateral, tiveram queda de 38,7%, porém a maior queda percentual de exportações para a Argentina ocorreu com os veículos de carga, diminuindo 64,7%.

Com a crise cambial desde o ano passado, a Argentina enfrenta uma desvalorização de sua moeda, diminuindo sua capacidade de comprarem mercadoria do Brasil. Toda essa crise no país vizinho é gerada pela alta da inflação, o impõe ao governo argentino a tomada de algumas medidas para tentar erguer o país.

A Argentina lançou uma lista de medidas para tentar frear a alta da inflação, e dentre as medidas estão desde acordo com empresas para “congelar” os preços de produtos da cesta básica por pelo menos 6 meses, o não aumento de serviços públicos como gás, telefonia celular, transporte público e o congelamento de preços da energia elétrica residencial até o final de 2019. Os pedágios nas rodovias também entram no pacote de medidas adotadas pelo governo.

Por Fernando Marques.

No sábado, dia 25 de maio, uma carga explodiu e pegou fogo a bordo do navio sul coreano KMTC Hongkong no porto de Laem Chabang, na Tailândia. Segundo o diretor, Yuthana Mokkao, a carga continha hipoclorito de cálcio. O incidente no navio feriu mais de 20 pessoas e mais de 130 pessoas foram para o hospital. As autoridades locais tiveram que evacuar a área. Lendo essa informação, qualquer empresa que importa ou exporta, já pensa na dor de cabeça que um problema desses pode causar.

O seguro de transporte, tanto na exportação, quanto na importação, é fundamental para um acordo mais tranquilo. O seguro de carga não é obrigatório no transporte internacional, mas a importância dele é imensurável para que a sua empresa não se preocupe caso acidentes aconteçam. Com isso, muitas empresas contratam esse tipo de serviço, considerando os termos comerciais internacionais (INCOTERMS), através do qual ficam definidas obrigações e responsabilidades dentro da transação, incluindo a contratação do seguro. O custo do seguro pode variar de acordo com a rota, e os riscos inerentes a ela, como ameaças de roubos ou furtos, características da carga, modal utilizado, preço do bem transportado e amplitude da cobertura do seguro.

A partir de uma avaliação feita por especialistas na área, a Efficienza garante um procedimento tranquilo e sem riscos para os seus clientes.

Por João Vitor Cechinato.

Você sabia que pode consolidar as suas cargas na origem e fazer apenas uma liberação no destino? Isso mesmo, esta é uma das soluções que a Efficienza pode oferecer para você.

A consolidação funciona da seguinte maneira, ao invés de emitir um HBL (House Bill of Lading) / AWB (Airway Bill) para cada compra, você pode juntar cargas de 2, 3, 4 ou mais exportadores e emitir apenas um conhecimento de embarque, englobando todos. Este conhecimento deve especificar todos os itens a serem embarcados, facilitando a logística e reduzindo as burocracias do processo.
A Efficienza conta com uma rede de agentes em todos os continentes. Assim podemos receber as cargas dos seus fornecedores (FOB/FCA), ou coletar na fábrica deles (EXW/FCA). Nossos agentes possuem wharehouses privados, onde podem receber e coletar as cargas, para após fazer a consolidação do CNTR.
Este método vem ganhando bastante espaço como opção dos importadores no Brasil, e para mostrar como a consolidação de cargas é um método eficaz, vamos mostrar a você 3 vantagens deste serviço:

1 – Redução do custo total da importação
“Otimizando” a consolidação de suas cargas na origem, você estará economizando no desembaraço aduaneiro, fiel depositário, Armazenagem, Presença de carga e inspeção não invasiva LCL no porto do Tecon RIG, por exemplo;

2 – Menos Burocracia
Ao consolidar estamos agrupando várias cargas em um só, e isso reflete também na documentação para o embarque;

3. Manuseio prático da carga
As mercadorias consolidadas não são agrupadas apenas na documentação, elas são literalmente agrupadas em um pallet. Isso significa que é mais prático para o é wharehouse manusear a carga e fazer a estufagem. A mesma coisa acontece no porto de destino, na desova e após ova no caminhão para entregar na fábrica do importador.

Se tem alguma dúvida ou informação adicional que necessite, por favor, não hesite em nos contatar. A Equipe de Logística Internacional da Efficienza esta pronta para atender a sua demanda!

Por Elton Balthazar Menezes.